Cerrar

No. de sistema: 000012250

LDR _ _ 00000naa^^22^^^^^za^4500
008 _ _ 151028s2015^^^^bl^^^^^f^^^^^z000^0^por^d
040 _ _ a| ECO
c| ECO
043 _ _ a| n-mx---
a| s-bl---
044 _ _ a| bl
245 0 0 a| Diversidade genética e fenotípica no gênero Ectatomma
246 1 1 a| Phenotypic and genetic diversity in Ectatomma
520 1 _ a| Ectatomma is a genus of ants belonging to Ectatomminae, currently located in the Formicoid group. With 15 recognized species, the genus includes relatively large ants endemic to the Neotropical Region. These species are relatively common in diverse areas such as wet forest, savannah, and dry forest habitats below 1500 m in altitude. Most of them are generalist predators but they also consume fruit pulp, honey and plant nectars. The wide variation in their environmental performance, foraging strategies and diet explains their abundance in the Neotropics. The first review of this genus was done by William Brown Jr. in 1958, who recognized the difficulties in delimiting some Ectatomma species. Some of these problems were partly solved by Kugler and Brown, who suggested some synonymies and recognized 12 species. Arias-Penna re-described E. confine; Almeida described two species from Brazil, E. vizotoi and E. suzanae, and Feitosa et al. described the first social parasitic Ectatomma, E. parasiticum from Mexico. While there are currently 15 Ectatomma described species, recent studies have shown that this variability is underestimated due to cryptic species or insufficient sampling. In this chapter, we synthesize from the literature and our own experience data on phenotypic variation, ecological and life traits and genetics. Morphological variation is known for E. tuberculatum, E. goninion and E. ruidum over their geographic distribution. As in other ants, this kind of variation has been the principal source of taxonomic inflation. The challenge with this taxon is to find a correct delimitation of the species, using several sources of data, including morphology, chemistry, genetics and biology. Phenotypic variation can also be expressed by differences in behaviours or life history traits between species, and we here present some features common to or, by contrast, specific to some Ectatomma.
520 1 _ a| The nests of all the species of the genus Ectatomma are terricolous, even those of species exhibiting arboricolous habits. Generally, they exhibit the same pattern; a simple architecture with a single entrance hole opening directly on the ground surface and leading to a gallery, which connects with successive chambers (4-12 according to the species) deeper in the ground (0.68-3.60 m according to the species). The structure of the nests seems to vary depending on the environment and probably with the season, colony size and the structure of the soil. The patterns of nest distribution appear to vary according to the species (overdispersion; random distribution; aggregated pattern; patchy distribution). Polydomy occurs in E. tuberculatum and possibly in E. brunneum and E. opaciventre. Polygynous colonies have been detected in seven of the 15 Ectatomma species (E. ruidum, E. tuberculatum, E. parasiticum, E. brunneum, E. permagnum, E. planidens (referred to as E. edentatum), and E. vizottoi). However, data based on genetic markers to investigate details of the socio-genetic structure of the colonies have only been obtained in E. tuberculatum and E. ruidum, for which we developed specific microsatellite loci. Although Ectatomma is a widespread and common genus in the Neotropics, their taxonomy is surprisingly poorly known, with several issues unanswered, such as: the delimitation of some species or cryptic species complexes (as in E. tuberculatum and E. ruidum); the interpretation of infra- vs inter-specific variation (as in E. goninion); the problem of paraphyly (as in the E. tuberculatum / E. parasiticum pair); and also the status of species described by Almeida in (E. vizotoi and E. suzanae). Hopefully work in progress, including the molecular phylogeny of the genus, will throw light on species delimitation, biogeography, and evolution of some biological traits such as microgyny and parasitism.
520 2 _ a| O gênero de formigas Ectatomma (Ectatomminae) está atualmente situado no clado Formicoide. Este gênero possui 15 espécies reconhecidas e inclui formigas relativamente grandes e endêmicas da Região Neotropical. Estas espécies são relativamente comuns em diversas áreas (habitats como florestas secas, florestas úmidas e savanas) abaixo de 1500m de altitude. A maioria dessas formigas é predadora generalista, mas também podem se alimentar de polpa de frutas, mel e néctar. A ampla variação de seu desempenho ambiental, estratégias de forrageio e dieta justificam a sua abundância na Região Neotropical. A primeira revisão do gênero foi realizada por William Brown Jr. em 1958, que enfrentou dificuldades em delimitar algumas espécies de Ectatomma. Alguns destes problemas foram parcialmente resolvidos por Kugler; Brown, que sugeriram algumas sinonímias e reconheceram 12 espécies. Arias-Penna redescreveu E. confine; Almeida descreveu duas espécies do Brasil, E. vizottoi e E. suzanae. Feitosa et al. descreveram E. parasiticum, a primeira Ectatomma parasita social, originária do México. Embora existam atualmente 15 espécies de Ectatomma descritas, estudos recentes mostraram que esta diversidade é subestimada devido a espécies crípticas ou amostragem insuficiente. Neste capítulo, sintetizamos da literatura e de nossa própria experiência dados de variação fenotípica a partir de características morfológicas, ecológicas, características de vida e genéticas (citogenética e estrutura populacional). A variação morfológica foi registrada em E. tuberculatum, E. goninion e E. ruidum ao longo de sua distribuição geográfica. Porém, assim como em outras formigas, este tipo de variação foi a principal fonte de inflação taxonômica, com muitos nomes desnecessários propostos anteriormente na história do gênero.
520 2 _ a| O desafio neste táxon é encontrar uma delimitação correta das espécies, usando várias fontes de dados como morfologia, química, genética e biologia (e.g. comportamento de nidificação). A existência de espécies crípticas em E. tuberculatum e E. ruidum, por exemplo, foi recentemente observada a partir de um estudo de filogenia molecular. A variação fenotípica também pode ser expressa baseada em alterações comportamentais ou em características da história de vida das espécies. Decidimos apresentar apenas algumas características comuns, ou por outro lado, específicas de algumas espécies de Ectatomma como a arquitetura de ninho, distribuição de ninhos e organização social. Os ninhos de todas as espécies do gênero Ectatomma são terrícolas, mesmo aqueles de espécies que demonstram hábitos arborícolas como E. tuberculatum. Geralmente os ninhos apresentam o mesmo padrão: uma arquitetura simples com um único orifício de entrada e uma abertura direta na superfície do solo, conduzindo a uma galeria que se aprofunda conectando-se a consecutivas câmaras (de quatro a 12, de acordo com a espécie) variando de 0.68 a 3.60m, de acordo com a espécie. A estrutura dos ninhos parece variar dependendo do ambiente e provavelmente da estação. No entanto, a variação também pode ocorrer de acordo com o tamanho da colônia (ou estado de desenvolvimento) e estrutura do solo. O padrão de distribuição de ninhos também parece variar de acordo com a espécie (sobreposição, distribuição aleatória, padrão agregado, distribuição em manchas). Além disso, a polidomia, que é a formação de ninhos múltiplos e separados que permitem intercâmbio entre eles, de operárias e da prole ocorre em E. tuberculatum e foi sugerida para E. brunneum e E. opaciventre.
520 2 _ a| A organização social foi estudada em diferentes espécies de Ectatomma e colônias poligínicas foram identificadas em sete das 15 espécies (E. ruidum, E. tuberculatum, E. parasiticum, E. brunneum, E. permagnum, E. planidens (referida como E. edentatum), e E. vizottoi). Entretanto, dados baseados em marcadores genéticos usados para investigar em detalhes a estrutura sociogenética das colônias foram realizados apenas com E. tuberculatum e E. ruidum, as quais desenvolvemos loci microssatélites específicos. Embora Ectatomma seja um gênero muito difundido e comum na Região Neotropical, sua taxonomia é pouco conhecida, com várias questões não respondidas, como a delimitação de algumas espécies ou complexos de espécies crípticas (como em E. tuberculatum e E. ruidum), a interpretação da variação intra vs interespecífica (como em E. goninion), o problema da parafilia (como no par E. tuberculatum / E. parasiticum) e também o status de espécie descrito por Almeida (E. vizottoi e E. suzanae). Esperamos que estudos em andamento, incluindo a filogenia molecular do gênero, possam elucidar a delimitação de espécies, biogeografia e evolução de algumas características biológicas como microginia, parasitismo e preferência de habitats.
538 _ _ a| Adobe Acrobat profesional 6.0 o superior
650 _ 4 a| Ectatomma tuberculatum
650 _ 4 a| Ectatomma goninion
650 _ 4 a| Ectatomma ruidum
650 _ 4 a| Hormigas
650 _ 4 a| Variación genética
650 _ 4 a| Hábitat (Ecología)
651 _ 4 a| México
651 _ 4 a| Brasil
700 1 _ a| Poteaux, C.
700 1 _ a| Prada Achiardi, F. C.
e| coaut.
700 1 _ a| Fernández, F.
e| coaut.
700 1 _ a| Lachaud, Jean Paul
e| coaut.
773 0 _
b| organizadores: Jacques H. C. Delabie, Rodrigo M. Feitosa, José Eduardo Serrão, Cléa S. F. Mariano, Jonathan D. Majer
t| As formigas poneromorfas do Brasil
d| Ilhéus, Bahia, Brasil : Universidade Estadual de Santa Cruz, Editora Editus, 2015
g| p. 127-144
z| 978-85-7455-398-6
900 _ _ a| Solicítelo con su bibliotecario/a
901 _ _ a| Capítulo de libro con arbitraje
902 _ _ a| GOG / MM
904 _ _ a| Octubre 2015
905 _ _ a| Artecosur
905 _ _ a| Biblioelectrónica
LNG por
Cerrar
*Solicítelo con su bibliotecario/a
Diversidade genética e fenotípica no gênero Ectatomma = Phenotypic and genetic diversity in Ectatomma
Poteaux, C. (autor)
Prada Achiardi, F. C. (autor)
Fernández, F. (autor)
Lachaud, Jean Paul (autor)
Contenido en: As formigas poneromorfas do Brasil / organizadores: Jacques H. C. Delabie, Rodrigo M. Feitosa, José Eduardo Serrão, Cléa S. F. Mariano, Jonathan D. Majer. Ilhéus, Bahia, Brasil : Universidade Estadual de Santa Cruz, Editora Editus, 2015. p. 127-144. ISBN: 978-85-7455-398-6
No. de sistema: 12250
Tipo: - Capítulo de libro con arbitraje
  • Consulta (1)




Inglés

"Ectatomma is a genus of ants belonging to Ectatomminae, currently located in the Formicoid group. With 15 recognized species, the genus includes relatively large ants endemic to the Neotropical Region. These species are relatively common in diverse areas such as wet forest, savannah, and dry forest habitats below 1500 m in altitude. Most of them are generalist predators but they also consume fruit pulp, honey and plant nectars. The wide variation in their environmental performance, foraging strategies and diet explains their abundance in the Neotropics. The first review of this genus was done by William Brown Jr. in 1958, who recognized the difficulties in delimiting some Ectatomma species. Some of these problems were partly solved by Kugler and Brown, who suggested some synonymies and recognized 12 species. Arias-Penna re-described E. confine; Almeida described two species from Brazil, E. vizotoi and E. suzanae, and Feitosa et al. described the first social parasitic Ectatomma, E. parasiticum from Mexico. While there are currently 15 Ectatomma described species, recent studies have shown that this variability is underestimated due to cryptic species or insufficient sampling. In this chapter, we synthesize from the literature and our own experience data on phenotypic variation, ecological and life traits and genetics. Morphological variation is known for E. tuberculatum, E. goninion and E. ruidum over their geographic distribution. As in other ants, this kind of variation has been the principal source of taxonomic inflation. The challenge with this taxon is to find a correct delimitation of the species, using several sources of data, including morphology, chemistry, genetics and biology. Phenotypic variation can also be expressed by differences in behaviours or life history traits between species, and we here present some features common to or, by contrast, specific to some Ectatomma."

"The nests of all the species of the genus Ectatomma are terricolous, even those of species exhibiting arboricolous habits. Generally, they exhibit the same pattern; a simple architecture with a single entrance hole opening directly on the ground surface and leading to a gallery, which connects with successive chambers (4-12 according to the species) deeper in the ground (0.68-3.60 m according to the species). The structure of the nests seems to vary depending on the environment and probably with the season, colony size and the structure of the soil. The patterns of nest distribution appear to vary according to the species (overdispersion; random distribution; aggregated pattern; patchy distribution). Polydomy occurs in E. tuberculatum and possibly in E. brunneum and E. opaciventre. Polygynous colonies have been detected in seven of the 15 Ectatomma species (E. ruidum, E. tuberculatum, E. parasiticum, E. brunneum, E. permagnum, E. planidens (referred to as E. edentatum), and E. vizottoi). However, data based on genetic markers to investigate details of the socio-genetic structure of the colonies have only been obtained in E. tuberculatum and E. ruidum, for which we developed specific microsatellite loci. Although Ectatomma is a widespread and common genus in the Neotropics, their taxonomy is surprisingly poorly known, with several issues unanswered, such as: the delimitation of some species or cryptic species complexes (as in E. tuberculatum and E. ruidum); the interpretation of infra- vs inter-specific variation (as in E. goninion); the problem of paraphyly (as in the E. tuberculatum / E. parasiticum pair); and also the status of species described by Almeida in (E. vizotoi and E. suzanae). Hopefully work in progress, including the molecular phylogeny of the genus, will throw light on species delimitation, biogeography, and evolution of some biological traits such as microgyny and parasitism."

Resumen en portugués

"O gênero de formigas Ectatomma (Ectatomminae) está atualmente situado no clado Formicoide. Este gênero possui 15 espécies reconhecidas e inclui formigas relativamente grandes e endêmicas da Região Neotropical. Estas espécies são relativamente comuns em diversas áreas (habitats como florestas secas, florestas úmidas e savanas) abaixo de 1500m de altitude. A maioria dessas formigas é predadora generalista, mas também podem se alimentar de polpa de frutas, mel e néctar. A ampla variação de seu desempenho ambiental, estratégias de forrageio e dieta justificam a sua abundância na Região Neotropical. A primeira revisão do gênero foi realizada por William Brown Jr. em 1958, que enfrentou dificuldades em delimitar algumas espécies de Ectatomma. Alguns destes problemas foram parcialmente resolvidos por Kugler; Brown, que sugeriram algumas sinonímias e reconheceram 12 espécies. Arias-Penna redescreveu E. confine; Almeida descreveu duas espécies do Brasil, E. vizottoi e E. suzanae. Feitosa et al. descreveram E. parasiticum, a primeira Ectatomma parasita social, originária do México. Embora existam atualmente 15 espécies de Ectatomma descritas, estudos recentes mostraram que esta diversidade é subestimada devido a espécies crípticas ou amostragem insuficiente. Neste capítulo, sintetizamos da literatura e de nossa própria experiência dados de variação fenotípica a partir de características morfológicas, ecológicas, características de vida e genéticas (citogenética e estrutura populacional). A variação morfológica foi registrada em E. tuberculatum, E. goninion e E. ruidum ao longo de sua distribuição geográfica. Porém, assim como em outras formigas, este tipo de variação foi a principal fonte de inflação taxonômica, com muitos nomes desnecessários propostos anteriormente na história do gênero."

"O desafio neste táxon é encontrar uma delimitação correta das espécies, usando várias fontes de dados como morfologia, química, genética e biologia (e.g. comportamento de nidificação). A existência de espécies crípticas em E. tuberculatum e E. ruidum, por exemplo, foi recentemente observada a partir de um estudo de filogenia molecular. A variação fenotípica também pode ser expressa baseada em alterações comportamentais ou em características da história de vida das espécies. Decidimos apresentar apenas algumas características comuns, ou por outro lado, específicas de algumas espécies de Ectatomma como a arquitetura de ninho, distribuição de ninhos e organização social. Os ninhos de todas as espécies do gênero Ectatomma são terrícolas, mesmo aqueles de espécies que demonstram hábitos arborícolas como E. tuberculatum. Geralmente os ninhos apresentam o mesmo padrão: uma arquitetura simples com um único orifício de entrada e uma abertura direta na superfície do solo, conduzindo a uma galeria que se aprofunda conectando-se a consecutivas câmaras (de quatro a 12, de acordo com a espécie) variando de 0.68 a 3.60m, de acordo com a espécie. A estrutura dos ninhos parece variar dependendo do ambiente e provavelmente da estação. No entanto, a variação também pode ocorrer de acordo com o tamanho da colônia (ou estado de desenvolvimento) e estrutura do solo. O padrão de distribuição de ninhos também parece variar de acordo com a espécie (sobreposição, distribuição aleatória, padrão agregado, distribuição em manchas). Além disso, a polidomia, que é a formação de ninhos múltiplos e separados que permitem intercâmbio entre eles, de operárias e da prole ocorre em E. tuberculatum e foi sugerida para E. brunneum e E. opaciventre."

"A organização social foi estudada em diferentes espécies de Ectatomma e colônias poligínicas foram identificadas em sete das 15 espécies (E. ruidum, E. tuberculatum, E. parasiticum, E. brunneum, E. permagnum, E. planidens (referida como E. edentatum), e E. vizottoi). Entretanto, dados baseados em marcadores genéticos usados para investigar em detalhes a estrutura sociogenética das colônias foram realizados apenas com E. tuberculatum e E. ruidum, as quais desenvolvemos loci microssatélites específicos. Embora Ectatomma seja um gênero muito difundido e comum na Região Neotropical, sua taxonomia é pouco conhecida, com várias questões não respondidas, como a delimitação de algumas espécies ou complexos de espécies crípticas (como em E. tuberculatum e E. ruidum), a interpretação da variação intra vs interespecífica (como em E. goninion), o problema da parafilia (como no par E. tuberculatum / E. parasiticum) e também o status de espécie descrito por Almeida (E. vizottoi e E. suzanae). Esperamos que estudos em andamento, incluindo a filogenia molecular do gênero, possam elucidar a delimitação de espécies, biogeografia e evolução de algumas características biológicas como microginia, parasitismo e preferência de habitats."


  • Adobe Acrobat profesional 6.0 o superior